Médica defende cura reconectiva no Serviço Nacional de Saúde em Portugal

A cura reconectiva, uma terapia complementar que utiliza a energia como tratamento, pode ser implementada no Serviço Nacional de Saúde em Portugal.

De acordo com a diretora do Serviço de Urgência do Hospital Santo António, no Porto, Isabel Almeida, que integra também a Unidade de Imunologia Clínica desse hospital, caso esta terapêutica ajude o paciente a obter uma melhoria mais rápida, seria “ótimo” que fosse utilizada em áreas como a oncologia e a neurologia e no tratamento da dor crónica e das doenças autoimunes.

“Sei que este tipo de terapia já está presente noutros hospitais da Europa”, existindo, em Portugal, o caso do IPO-Porto, que utiliza o Reiki como terapêutica complementar aos tratamentos tradicionais, acrescentou.

Estas declarações foram prestadas à Lusa durante a apresentação do livro “A Reconexão”, de Eric Pearl, que decorreu hoje no auditório do Hospital de Santo António, num evento organizado pela sua Unidade de Imunologia Clínica e pelo Centro de Reconectividade do Porto.

Eric Pearl trabalha na área da Cura Reconectiva, uma terapia que, segundo o próprio, é reconhecida e apoiada pela ciência e não tem a intenção de diagnosticar nem substituir os tratamentos tradicionais, sendo sim um suporte para que estes se tornem mais poderosos, englobando energia, informação e luz.

“A cura é o regresso ao equilíbrio”, defendeu o criador desta medicina complementar durante o evento, explicando que ela ajuda os pacientes a desbloquear os seus problemas, promovendo assim um “regresso ao seu equilíbrio e à sua essência”.

Segundo um documento do Centro de Reconectividade entregue aos presentes durante a apresentação, o Centro Nacional de Informações sobre Biotecnologia publicou um estudo no qual foi comparada esta terapia com o Reiki, com a cura xamânica e com a fisioterapia, em pacientes com dor no ombro.

Os resultados mostraram que uma sessão de dez minutos de Cura Reconectiva foi duas vezes mais eficaz do que a fisioterapia, aumentando a amplitude do movimento em 26 graus, enquanto esta última conduziu a uma melhoria de 12 graus e o Reiki de 20 graus.

Essa restauração da mobilidade “vai além do efeito placebo”, refere o texto, visto que os pacientes que se submeteram à cura xamânica, embora não tenham relatado melhoria na amplitude do movimento, sentiram uma redução da dor, quando comparados aos que não receberam nenhum tratamento.

“Isto sugere que, embora a redução da dor possa ser atribuída a um efeito placebo, o aumento da amplitude de movimentos não pode, ou os pacientes tratados com cura xamânica teriam apresentado resultados semelhantes”, lê-se ainda no documento.

[ Esse texto é uma adaptação da matéria escrita pela Lusa Agência de Notícias de Portual S/A, publicada no site Jornal de Notícias, de Portugal em 24/04/2017 http://www.jn.pt/nacional/interior/medica-defende-cura-reconectiva-no-servico-nacional-de-saude-6241402.html e no site Notícias ao Minuto, de Portugal em 24/04/2017 https://www.noticiasaominuto.com/pais/781885/medica-defende-integracao-da-cura-reconectiva-no-sns]